Sebrae (Foto: Divulgação)

Desde de março de 2020 foi formado um comitê, também chamado Gabinete da Crise do Setor da beleza, formado por Andrezza Torres (Coordenadora Nacional Cadeia de HPPC, Beleza e Bem Estar do Sebrae), Márcio Michelasi (Presidente do Sindicato Nacional Pró-Beleza), José Augusto Nascimento dos Santos (Presidente da ABSB – Associação Brasileira de Salões de Beleza) e Richard Klevenhusen (Diretor de Relações Institucionais da ABSB, Pró-Beleza e Grupo Paradiso).

O trabalho do grupo, em resumo, visa a reunir todas as demandas que giram em torno da pandemia do COVID-19 e seu impacto no setor da beleza e cosméticos, com o fim de buscar soluções e a interlocução com os órgãos e departamentos governamentais das mais diversas ordens e esferas, das municipais às federais.

Através de reuniões diárias e sem hora para começar ou acabar, o trabalho rendeu alguns frutos, tais como: acolhimento do pleito de inclusão de categorias de empreendedores da beleza que não tinham sido contempladas no Projeto de Lei nº 873/2020 que trata do auxílio emergencial; a edição de cartilha de orientação de regras sanitárias para salões de beleza em tempo de COVID-19; o acolhimento de sugestões, por via indireta a pedidos de outras importantes associações, que foram incorporadas em medidas provisórias e outras iniciativas baixadas pelo Governo Federal; dentre outros.


O setor da beleza tem sido um dos mais prejudicados neste momento crucial da história do mundo, pois são atividades que geram o ganha-pão de profissionais e empresas no dia-a-dia de atendimento. Logo, um profissional ou estabelecimento de beleza só recebe algo se prestam os seus serviços aos consumidores.

Fora isso, a insegurança jurídica que paira no setor também é grande, porque poucas ou, digamos, quase nenhuma, foram as iniciativas específicas implantadas em prol da preservação deste setor produtivo que ocupa, dependendo do quadro analisado, entre o 3º e 4º lugares dos rankings de setores da economia mundial.

Desde 20 de março de 2020 dezenas de ofícios, videoconferências, movimentos virtuais foram realizados em prol de buscar as soluções emergenciais que o mercado precisa. Dos diversos encaminhamentos do comitê de crise, por parte da ABSB e Pró-Beleza foram também ajuizadas ações para a defesa dos temas setoriais, enquanto a ABSB faz pleitos em prol da defesa dos interesses das empresas e estabelecimentos de beleza, a Pró-Beleza se engaja na defesa dos interesses da categoria de profissionais.

E o trabalho não para por aí. Os membros do gabinete da crise também estão presentes em várias lives diárias, promovidas pelos mais diversos grupos de pessoas e empresas do setor da beleza.

Dentre os temas discutidos estão: orientações sobre a criação de cronogramas de atendimento e agendas estratégias até o retorno às atividades; alternativas criativas para criar engajamento com clientes no período de quarentena; os perigos de atendimentos em domicílio sem a coordenação dos salões de beleza, dentre outros temas.  

As entidades oferecem como canais de comunicação com os seus representados os websites www.probeleza.org.br e www.saloesbrasil.com.br

Além disso, o Sebrae Nacional disponibilizou um canal especial para atendimento de dúvidas do setor pelo telefone 0800 570 0800, bem como mantem atualizado o portal www.sebrae.com.br com orientações que vão desde financiamentos até cursos on-line voltados aos mais diversos temas de gestão de negócios.