Deborah Secco e Maria Flor (Foto: Divulgação/ Instagram)

Texto/Entrevista: Leandro Lel Lima.
Edição: Paulo Henrique Lima

Deborah Secco marcou presença num evento de beleza da marca Baby Rose, em São Paulo, na tarde desta sexta-feira (03). Durante o evento, a atriz conversou com o Observatório dos Famosos sobre maternidade. 

Secco, mãe de Maria Flor, se abriu sobre a educação e a forma como se relaciona com a filha. Por ser mãe de primeira viagem, Deborah confidenciou que mima muito a pequena, mas com os pés no chão: “Do meu lado sim, do meu marido não. Ele é doce, amoroso, sério e muito maduro. Sou uma mãe em evolução. Todo mês é uma demanda diferente. Agora ela está na fase da argumentação”.


Um dos desejos da atriz é aprender a cozinhar, algo que a filha vem tomando gosto: “Sou um fracasso na cozinha, trabalho desde pequena, nunca tive tempo Miojo, brigadeiro. Queria muito aprender, mas não tenho tempo”.

Outro ponto alto da conversa foi a gestação e os primeiros meses da filha. Deborah não pôde amamentar por conta de algumas complicações: “Tive problemas na minha prótese e fiquei no hospital dois meses, foi realmente um trauma. Quando a Maria nasceu eu estava muito triste porque não ia amamentar, aquela coisa que a gente cria uma expectativa e parece que o mundo inteiro cobra da gente que pra ser mãe tem que amamentar. Eu já não consegui fazer parto normal, porque minha bolsa estourou e saiu muito mecônio, e isso é sinal de que a neném está em sofrimento. Então eu tive que fazer cesárea e pensei: ‘pronto, eu vou ser uma mãe fracassada, tive cesárea e não vou amamentar’“, disse a atriz, que não sai de casa sem maquiagem.  

Por conta da gestação, Deborah Secco engordou 27 quilos. O fato de não amamentar ajudou a atriz de Segundo Sol a seguir uma dieta mais rígida: “Emagreci mais até que meu peso. Eu não acreditava que eu ia caber na minha calça jeans, e 13 dias depois eu estava cabendo. Tranquilizei todas as minhas amigas, pode ficar grávida que a gente embagulha mas volta, não sei se a segunda gravidez é diferente mas na primeira volta. Não é milagre não, chama fome mesmo”.