Anitta, Jojo Maronttinni e duo Seakret lançam single sobre relacionamento abusivo

Publicado há 2 anos
Por Matheus Henrique Menezes
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Texto/Entrevista: Cris Veronez | Edição: Matheus Henrique Menezes.

O feminismo ganha cada vez mais força no cenário musical e, desta vez, os homens também entraram na jogada. Em parceria com Anitta e Jojo Maronttinni, o duo Seakret — formado pelos produtores musicais Pedro Dash e Dan Valbusa — resolveu apostar em uma música que fala sobre relacionamento abusivo.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A ideia de “Perdendo a Mão”, que foi lançada em 7 de setembro e já tem mais de 2 milhões de visualizações no YouTube, é instigar nas mulheres a busca pela independência.

Leia também: Leo Santana confirma nova música em parceria com Anitta, de acordo com site

“Somos dois homens e esta é uma música que fala de uma mulher que está vivendo um relacionamento abusivo. Este não é o nosso lugar de fala, mas é muito legal poder lançar uma música que aborde este tema como estamos fazendo, de forma divertida. Acho que as pessoas vão absorver muito bem”, afirma Pedro durante entrevista ao Observatório dos Famosos.

O clipe foi gravado em Honório Gurgel, bairro da zona norte do Rio, onde Anitta cresceu. Algumas das cenas são na antiga casa da cantora e outras na casa de um amigo dela, onde a turma da funkeira costumava fazer festas. Tudo foi filmado em câmera VHS. A direção é de Junior Bill, que dirigiu várias apresentações da cantora nos tempos dos bailes da Furacão 2000.

Veja mais: Jojo Todynho se revolta contra violência às mulheres em desabafo na web

“Recebi a música do Seakret e adorei de imediato. Chamamos a Jojo por se tratar de um funk que tem tudo a ver com ela também. Resolvemos gravar o clipe com meus amigos de infância e chamamos fornecedores locais de Honório para nos ajudar na produção. Sempre tive vontade de trazer imagens da minha infância e meus amigos de Honório Gurgel”, conta Anitta

Jojo comenta o tema da música: “A partir do momento que somos livres para fazermos nossas escolhas, que temos o direito expressar aquilo que pensamos, já somos livres e independentes. Claro que temos um bom caminho a ser trilhado pela frente e sempre teremos muito chão para caminhar em várias áreas da sociedade. Não só a mulher, mas o ser humano tem muito que crescer, aprender e conquistar”.

Espie: Jojo Todynho muda radicalmente o visual e aparece com cabelo platinado

Esta é a primeira vez que Anitta e Jojo cantam juntas. A amizade entre as duas, no entanto, começou no ano passado. A dona do hit “Que Tiro Foi Esse” participou do clipe “Vai Malandra”, lançado em dezembro de 2017.

Jojo Todynho e Anitta em ‘Vai Malandra’ (FOTO: Reprodução/Instagram)

Como tudo na carreira de Anitta e de quem trabalha com ela, a produção de “Perdendo a Mão” foi rápida. Pedro conta que da concepção da ideia ao trabalho pronto, foram apenas seis dias.

Ele também comenta a fama de exigente da cantora: “É muito bom trabalhar com a Anitta, porque ela sabe muito bem o que quer, é muito prática e aprendeu a ser rápida no estúdio e nas tomadas de decisões. Afinal, faz muita coisa ao mesmo tempo. E faz tudo bem feito. Ela é perfeccionista, mas também confia muito nos produtores com quem trabalha. Anitta é exigente como todo bom artista e empresário”.

O produtor musical afirma ter consciência da responsabilidade de colocar o nome do Seakret em um trabalho que defende o feminismo nos dias de hoje, em que as mulheres estão cobrando dos homens um discurso cada vez mais coerente com a igualdade. Diz também que o duo está disposto a lutar contra a herança cultural do machismo em sua vida.

“É óbvio que como 90% ou mais dos homens de classe média da nossa geração, nós crescemos cercados pelo machismo. De alguns anos para cá alguns homens – infelizmente não todos – começaram a ter a consciência do que é o machismo e do que é o feminismo. Até hoje tem homem que acha que feminismo é o machismo ao contrário e nós sabemos bem que o feminismo é a busca pela igualdade. Não faz sentido estarmos em 2018 e esse tipo de coisa não ser uma busca nossa”, afirma.

E acrescenta: “Acho que a mulher está longe de ter o espaço que ela merece, que nada mais é do que o mesmo do homem, mas acho muito bom que isso esteja sendo falado e assimilado hoje em dia”.

 

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio