Médico brasileiro vence prêmio internacional MIT sobre racismo nos EUA

Com apenas 33 anos, Dr. Antonio Gomes Lima Júnior é médico neuroradiologista, especializado pelo Hospital Antônio Prudente

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Com apenas 33 anos, Dr. Antonio Gomes Lima Júnior é médico neuroradiologista, especializado pelo Hospital Antônio Prudente do grupo Hap Vida e pós graduação pelo Hospital Israelita Albert Einstein.

Recentemente, foi premiado como ganhador do prêmio MIT sobre racismo, uma premiação anual que é realizada pela Massachusetts Institute Technology que é considerada a melhor universidade do mundo com frequência, por diversos rankings, e já encabeça o ranking da QS há alguns anos e está entre as instituições com o maior número de ganhadores do prêmio Nobel. 

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Além do prêmio em dólares, sua Startup será investida por Angel Rich, fundadora do Banco CreditRich e eleita em 2020 como uma das mulheres negras mais influentes dos EUA e indicada pela Forbes como a “next Steve Jobs”. 

Atualmente, Dr. Antonio Júnior mora na região de Manhattan em NY.

Ele mudou-se para os EUA no início de 2020 após ser aprovado para o mestrado no Icahn School of Medicine e acompanhou toda a pandemia desde o início na época em que NY foi o epicentro da doença e logo em seguida todas as manifestações do Black Live Matters.

O médico dá a sua visão geral sobre o ano que marcou a história da humanidade: 

“A pandemia afetou toda a humanidade, mas teve um impacto particularmente devastador nas comunidades menos favorecidas, nos EUA especialmente entre os negros e comunidades de imigrantes. Em apenas um exemplo, em junho, quase um em cada três negros americanos conhecia pessoalmente alguém que havia morrido de COVID-19, em comparação com aproximadamente um em cada dez americanos brancos”, explica o neuroradiologista.

Dr. Antonio Júnior comenta sobre os impactos desproporcionais da COVID-19 nas comunidades negras. Trata-se de uma manifestação cristalina das profundas desigualdades raciais que se acumularam ao longo dos séculos de racismo sistêmico. Todo esse cenário contribuiu para que milhões de pessoas em todo o mundo levantarem para protestar contra outra manifestação dessas iniquidades: os assassinatos de George Floyd, Breonna Taylor e inúmeros outros negros pela polícia”, enfatiza.

Iniquidades sistêmicas em saúde têm persistido ao longo da história. Essas desigualdades continuam a impactar muitos grupos raciais sub-representados e vulneráveis. Historicamente, foi negado a essa população o acesso adequado e equitativo à saúde. A pandemia exacerbou essas disparidades de saúde existentes. As manifestações em 2020 contra a injustiça racial voltaram a chamar a atenção para essas desigualdades. Esses eventos ressaltam a urgência de ação para abordar o papel que o racismo sistêmico desempenha na sociedade.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio