Durante gravação para o Programa Raul Gil desta semana, a artista Léo Áquila contou que foi vítima de homo-transfobia, chegando, inclusive, a ser apedrejada quando tinha 18 anos.

Aos 18 anos fui apedrejada no meu bairro quando decidi me assumir para a família. Fui uma criança que sofria muito na escola, apanhava todos os dias”, confessou.

Sobre a transexualidade, ela rechaçou as falas que alegam que ser trans é uma escolha e afirmou ter nascido assim, como todas as outras LGBTs.


Recentemente, Léo tentou uma cadeira na Câmera Legislativa de São Paulo, mas não obteve sucesso. Agora, ela segue focada na vida pessoal e no casamento com Chico Campadello.