Ronaldinho Gaúcho (Foto: Reprodução/Instagram)

Após ser detido no Paraguai, segundo o Globo Esporte, os advogados do ex-jogador Ronaldinho Gaúcho solicitaram à justiça que ele seja liberado para uma prisão domiciliar, ainda no país em que está preso.

Ainda de acordo com o jornal, foi marcada uma audiência para terça-feira (10), às 08 horas da manhã e quem irá decidir se ele continua ou não na penitenciária, é o juiz Gustavo Amarilla.

O caso


Ronaldinho foi detido após o ministro do Interior do Paraguai, Euclides Acevedo, afirmar que o jogador e seu irmão estavam com passaporte falsos: “Eles disseram que foram enganados. Que chegaram ao Paraguai com a intenção de colaborar. Mas o concreto é: ingressaram no Paraguai com passaportes falsos”.

Já o promotor do caso falou: “Foi checada a documentação, que chamou a atenção. Para ter a nacionalidade paraguaia, ser paraguaio naturalizado, tem que estar vivendo há algum tempo no país e ter um trabalho, essas coisas. Ronaldinho é uma pessoa de fama mundial… Estou igual a vocês. Já verificamos que os números de passaporte pertencem a outras pessoas. São passaportes originais, mas com dados apócrifos. Esses passaportes foram tirados em janeiro deste ano”.

Eles não fizeram nenhum processo para obter a nacionalidade paraguaia. Disse que foi um presente das pessoas que o trouxeram ao país. Segundo entendemos, fizeram a imigração paraguaia com este documento, mas saíram do Brasil com documentação brasileira”.