“A gente não aproveita da fama para aparecer”, afirma Henrique e Juliano

Publicado há uma hora
Por Joao Pedro Biott
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Dupla recordista de visualizações em suas canções no ano de 2020, Henrique e Juliano bateram um papo sincero com Léo Dias, do Metrópoles e falaram sobre a fama, isolamento social, demanda de lives durante a pandemia e a saída da gravadora Som Livre.

“Não é que a fama incomoda. Eu e meu irmão, a gente sempre quis ser sucesso. A gente nunca quis ser famoso. A gente não aproveita da fama para aparecer. A gente quer que a nossa música toque, não quer falar, a gente quer cantar! Talvez seja isso“, contou.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Quando questionado sobre o fim das lives, Henrique falou que sobre alguns problemas que contribuíram para isso: “Eu não acredito que a demanda seja tão grande assim. Se a gente fizesse mais lives, talvez seriam mais uma ou mais duas, no máximo. E eu acho que estaria mais que suprindo uma demanda. Live foi o que a gente fez, tipo ‘live de verdade’, aqui em casa, do jeito que a gente está, à vontade, como a gente vive“, afirmou.

E continuou: “Teve muitas coisas que aconteceram nesse intervalo, desde a primeira live, foi a da Marília no Instagram, a do Gusttavo no Youtube e depois trouxeram esse formato, no próprio Youtube. Ficou um pouco engessado, tinha muita coisa que não podia fazer, muita coisa que não podia dizer, e se eu to dentro da minha casa e tenho que seguir uma regra que não é minha, ou a casa não é minha ou o ambiente não me pertence”, desabafou.

“Foi como o meu irmão falou, pra você fazer algo diferente você tem que estar à vontade. Se você começar a seguir coisas que não concorda, você nunca vai estar à vontade”, afirmou Juliano.

Henrique e Juliano e Léo Dias. (Foto: Reprodução/Youtube)

O jornalista Leo Dias ainda questionou sobre o fato da dupla, não ter mais gravadora, e o fim da parceria com a Som Livre do Grupo Globo. “A questão da liberdade. Ser livre. A gente era da Som Livre, mas a gente não tinha liberdade. E não é uma coisa imposta, mas é uma coisa de autenticidade. A gente teve um contrato que ele durou acho que cinco anos, quando acabou o contrato, a gente falou assim: ‘pô agora a gente está livre’, e não estava”, contou Henrique. “Mas acho que foi uma falha nossa né?”, questionou Juliano.

“Sim, concordo, mas por conta do início, no começo você precisa fazer realmente, para aparecer, é muito importante pra gente, foi muito importante. Principalmente porque a internet não tinha tanta força como tem hoje, então foi muito importante sim”, contou Henrique.

Confira a entrevista de Henrique e Juliano na íntegra:

VEJA TAMBÉM: Ana Maria Braga esclarece rumores de aposentadoria

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio