Duda Reis cria instituto para combater violência doméstica e comemora: “salvar vidas é um privilégio”

A influenciadora acusa o ex-namorado de violência doméstica e caso segue em julgamento

Publicado em 29/03/2022 08:43
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Duda Reis, que denunciou o ex-namorado na justiça por violência doméstica, decidiu abrir um instituto para ajudar mulheres que passaram pelo mesmo problema. A influenciadora irá ajudar mulheres a sair dessa situação e conseguir denunciar o agressor.

A instituição se chamará Survivor (sobrevivente), e foi criada em parceria com a advogada que a representa em seu caso de violência. “A gente libera perdão e consegue a cura achando propósito e curando as pessoas. Meu papel principal é usar a minha voz para para mostrar que infelizmente a violência doméstica é comum em qualquer lugar do mundo, e todo mundo pode ter algum familiar ou conhecido que passa por isso. Nada melhor do que ser um exemplo de superação mostrar que é possível voltar a viver e se reestruturar”, revelou Duda, à Bia Rohen, da Quem.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

“Salvar vidas é um privilégio”

Duda denunciou seu ex-noivo, Nego do Borel, na lei Maria da Penha e o processo segue em andamento. O funkeiro nega todas as acusações. Entretanto, ainda na entrevista, a influenciadora relatou o machismo no caso de denúncia e que muitas vezes, as mulheres são desacreditadas.

Veja mais: Carla Diaz nega namoro abusivo com Felipe Becari: “suposições horrorosas”

“A sociedade é sempre muito machista, e a mulher vai sempre ser taxada de louca independentemente de qualquer coisa. Mesmo se tiver um vídeo, as pessoas vão duvidar, enquanto o abusador é tido como rei”, declarou.

Para ajudar as mulheres e assim salvar vidas do feminicídio, Duda decidiu criar a empresa e declarou ser um privilégio:  “Quando eu entendi que eu poderia fazer a mudança acontecer na vida de outras pessoas, a chave virou para mim. E salvar vidas, meu Deus, é um privilégio. É salvar vidas, mesmo, porque o fim disso tudo é o feminicídio”.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio