Ex-jogador varginhense com passagem pelo Santos incentiva filho a seguir seus passos no futebol

Publicado há 13 dias
Por Redação
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Elder Henrique está de mudança para São Paulo, onde apresentará seu trabalho como tatuador e investirá na carreira do garoto, que terá mais chances de ingressar na base de um time grande paulista

O ex-jogador de futebol e tatuador Elder Henrique de Moraes Pereira, de 36 anos, que deixou sua carreira no esporte aos 22 anos em função de uma lesão no tornozelo, agora trabalha para que seu filho Hugo, de 8 anos, leve em frente o sonho que ele próprio precisou interromper. Sua expectativa é que o garoto, amante dos campos igual ao pai, siga pelo mesmo caminho, faça sua própria história e chegue ainda mais longe dentro dos gramados.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Elder, que é natural de Varginha (MG), integrou a equipe Sub 17 do Santos em 2000, treinando ao lado de grandes atletas, como Robinho e Diego. Em 2001 se mudou para Águas de Lindóia, no interior de São Paulo, onde se profissionalizou e disputou a série A3 do Campeonato Paulista. Logo em seguida sofre sua primeira lesão no tornozelo e, após tratá-la, retornou aos campos em Minas, quando disputou Campeonato Mineiro pelo Caldense.

Nesse momento de sua vida a lesão voltou a incomodar, se tornando crônica, fazendo com o que o atleta deixasse o futebol e se dedicasse a arte, uma paixão antiga que acabou se tornando uma segunda carreira. Foi nesse período, inclusive, que Elder se tornou pai e decidiu que incentivaria o filho a se tornar um jogador de sucesso.

 “Levo meu filho desde os dois anos de idade para o campo nos finais de semana. Comecei a perceber que ele gostava mesmo de bola, que levava jeito e desde então eu fiz um trabalho de treinamento mesmo com ele. Ensinava fundamentos, como correr, como chutar e o Hugo foi aprendendo”, destacou o ex-jogador.

Segundo ele, o menino foi matriculado em uma escolinha de futebol aos cinco anos e desde então participa de campeonatos e já foi, inclusive, premiado como melhor artilheiro. “Ele tem biotipo de atacante, gosta de fazer gol e de ganhar”, pontuou Elder, que afirma dar todo apoio e condições para que o filho cresça cada vez mais no esporte e se torne um grande craque.

Novo desafio

Recentemente, o ex-atleta e hoje tatuador de sucesso em todo o Brasil foi convidado para trabalhar em um estúdio de tatuagem em São Paulo. A mudança para uma grande capital, segundo ele, será boa para sua carreira como artista e também para a do filho, já que terá a oportunidade de aproximá-lo dos grandes times brasileiros.

“Eu sempre quis que ele treinasse em uma escolinha mais forte para que o Hugo tivesse a chance de jogar na base de um time que disputa os principais campeonatos nacionais e internacionais. E acredito que chegou a hora certa para isso”, avaliou o ex-jogador, que agora prepara sua mudança ao lado da família e nutre cada vez mais a esperança a e expectativa de ver seu filho chegar ainda mais longe que ele no futebol.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio