Guta Stresser, a Bebel de A Grande Família, revela diagnóstico de doença sem cura: “perdi o chão”

A atriz não escondeu o medo que sentiu ao ser diagnosticada com esclerose múltipla

Publicado em 20/06/2022 10:13
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Guta Stresser revelou em entrevista à Veja, que foi diagnosticada recentemente com esclerose múltipla, uma doença autoimune degenerativa e sem cura. A Bebel de ‘A Grande Família’, contou como foi descobrir o diagnóstico e relatou os sintomas que a levaram a procurar um médico.

“Comecei a esquecer palavras bem básicas, como copo e cadeira. Se ficava duas horas parada assistindo a um filme na TV, logo sentia dores musculares. Tinha formigamentos frequentes nos pés e nas mãos, enxaquecas fortíssimas e variações de humor. O pior era um zumbido constante no ouvido. Parecia que havia ali um fio desencapado, provocando um curto-circuito na minha cabeça”, iniciou Guta, relatando os sintomas.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Veja mais: Gizelly Bicalho faz desabafo e assume que está com a saúde mental fragilizada: “não estou bem”

“Perdi o chão”

Por causa dos sintomas, o médico pediu um exame onde constatou que Guta estava com a doença. Sem esconder o quão assustada ficou com o diagnóstico, a atriz declarou que ouvir ‘esclerose múltipla’ foi aterrorizante.

“Após uma ressonância magnética, recebi enfim o diagnóstico: esclerose múltipla. Perdi o chão na mesma hora. Nem sabia direito o que era aquilo, só que afetava o cérebro, e só isso me soou aterrorizante. O médico explicou que se trata de uma doença autoimune em que o próprio corpo ataca a mielina — a capa de gordura que reveste os neurônios e ajuda nas conexões da mente”, relembrou.

A doença não tem cura e até o momento não tem prevenção. Quando recebeu o diagnostico, Guta ficou com medo de ficar incapacitada, mas foi tranquilizada pela equipe médica e iniciou o tratamento.

“Os especialistas não sabem por que esse processo é desencadeado. O que está comprovado é que atinge os movimentos e a fala. Tive muito medo. Pela minha cabeça se desenrolava um filme em que eu ficava completamente incapacitada. Mas, com a ajuda do neurologista, entendi que diagnóstico não é sentença e que, apesar da doença não ter cura, ela tem, sim, tratamento”, encerrou.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio