Kéfera Buchmann é condenada a pagar indenização a taxista, por vídeo polêmico

Publicado há 3 anos
Por Matheus Henrique Menezes
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Há 2 anos atrás, Kéfera Buchmann se envolveu em uma polêmica ao reclamar de um taxista e chegou até a divulgar um vídeo, em tom revoltado, com nome, placa do carro e telefone do profissional. A filmagem foi apagada, mas o caso chegou à justiça.

Veja mais: Pré-estreia bombada! Kéfera Buchmann vai a tapete vermelho de filme

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em 2015, a youtuber discutiu com o taxista Wlamir, que a repreendeu por estar comendo numa marmita, durante uma viagem. Ela foi expulsa do táxi, e pediu aos fãs que denunciassem o taxista, na intenção de retirá-lo da profissão e do aplicativo que ele usava para trabalhar.

O vídeo como o desabafo repercutiu nacionalmente e Kéfera também o acusou de machista por comentar sobre a roupa que usava na ocasião, que a largou no meio da Marginal, em São Paulo e que o taxista a xingou.

O taxista, que estava na função há 20 anos, alegou que não consegue mais exercer sua profissão (por conta do ocorrido), que chegou a ser despedido do lugar onde morava e hoje ganha a vida como vigilante. Ele chegou a receber por volta de 5 mil ameaças.

Como dito acima, o caso foi parar na justiça. O juiz Jair de Souza, da 1ª Vara Cível de São Paulo entendeu que o vídeo foi um uso inconsequente das redes sociais, como forma de vingança privada e “implicou em transtornos que em muito extrapolam a esfera do dissabor, a ponto de criar uma verdadeira onda de ódio e perseguição a sua pessoa” e decretou indenização de R$25000.

A indenização inicialmente havia sido fixada em R$100000 e de acordo com o advogado de defesa do taxista (em entrevista a UOL), Marcelo Tetsuya Nakashima, o autor do processo ficou um pouco decepcionado com a decisão.

Wlamir Gonçalves vai recorrer da decisão, juntamente com seu advogado, julgando o valor muito baixo em relação aos danos sofridos. Kéfera também anunciou que vai recorrer.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio