Emma Watson (Foto: Reprodução/ Instagram)

A atriz, Emma Watson, se pronunciou nesta quinta-feira (04), depois de ser “cancelada” durante o movimento “Blackout Tuesday”, nas redes sociais. A campanha foi um protesto pela vida de George Floyd, um afro-americano que morreu após um policial ajoelhar em seu pescoço. 

Depois desse episódio, aconteceram várias manifestações, incluindo o “apagão” nas rede sociais. No entanto, apesar de Emma publicar a foto, os internautas acharam o que ela fez pouco e a cobraram de falar mais no assunto.

LEIA MAIS: James Franco exibe rosto de Emma Watson em seu pescoço


“Fiquei triste ao ver que, se as pessoas não postam rapidamente nas mídias sociais, ou estão tentando ser respeitosas e oferecer espaço, isso pode ser interpretado como apatia”, iniciou ela.

“Uma coisa que todos podemos fazer para honrar a luta pela justiça racial nos Estados Unidos é interrogar, entender e desmantelar as estruturas racistas em nossos próprios países. […] Mas foi só quando eu me tornei um estudante em uma universidade americana e aprendi a história britânica da perspectiva de alguém de fora que eu realmente comecei a entender a violência racial que assusta a história britânica”, continuou.

Ela ainda prosseguiu: “Como adulta, me beneficiei do trabalho de pessoas para me ajudar a entender a história do meu país. Mas esse aprendizado deve começar muito, muito mais cedo, se quisermos desmantelar sistemas profundamente enraizados de opressão e injustiça. Obrigado a todos os historiadores, professores, ativistas e estudantes que estão abrindo o caminho para um sistema educacional verdadeiramente anti-racista”.

A embaixadora da ONU, completa: “A auto-educação é uma parte essencial de qualquer jornada anti-racista, e a leitura sempre foi uma grande parte do meu aprendizado pessoal. Em 2016, iniciei o Our Shared Shelf, um clube de livros para criar conversas sobre interseccionalidade, feminismo e direitos iguais e criar um perfil de escritores feministas. Muitos dos escritores e livros que apresentamos ao longo dos anos são relevantes para quem quer entender que a luta pela justiça racial tem sido longa, que o All Black Lives Matter e as vozes das mulheres são uma parte vital de qualquer movimento de mudança”.