Forte depressão fez cantor dos Beatles cogitar suicídio

Publicado em 26/02/2022 15:40
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O famoso fundador, co-vocalista e guitarrista dos Beatles, John Lennon, deixou sua marca com suas mensagens muitas vezes esperançosas e unificadoras em suas músicas e discursos. 

John Lennon (FOTO: Reprodução)

No entanto, um artigo recente revelou que ele nem sempre era um cara feliz, assim como todo mundo, ele tinha seus próprios problemas.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O cantor, compositor, ativista inglês e integrante da famosa banda britânica, The Beatles costumava ser conhecido por sua gentileza, otimismo e fé na humanidade, mas não foi assim que ele tratou as pessoas ao seu redor. 

Para começar, ele era um trapaceiro em série e sabe-se que ele traiu sua ex-esposa Cynthia Powell várias vezes com diferentes parceiros.

John Lennon e Cynthia Powell (FOTO: Reprodução)

Seu caso mais famoso foi com Yoko Ono, por quem ele deixou Cynthia Powell, mas não abandonou seu hábito de traição.

Embora Yoko Ono seja frequentemente culpada por “separar a banda”, na verdade foi John Lennon quem pressionou por um relacionamento de co-dependência. 

Acontece que o músico era um parceiro bastante ciumento e obsessivo, ele costumava fazer Yoko segui-lo para todos os lugares, como no estúdio ou até no banheiro.

John Lennon e Yoko Ono (FOTO: Reprodução)

Como você provavelmente sabe, John teve uma infância conturbada, pois seu pai o deixou muito jovem e ele nunca teve uma vida familiar estável com sua mãe. Ele nunca se recuperou desses traumas e os projetou em seu único filho, Julian. 

A governanta revelou que o cantor raramente passava tempo com Julian e, quando o fazia, atacava por motivos menores, como modos à mesa, e até abusava dele fisicamente.

Além disso, ele costumava usar substâncias ilegais que deixava espalhadas pela casa, tornando-o um espaço muito perigoso para uma criança crescer. 

VEJA MAIS: Site expõe dossiê sobre supostas traições de Nego do Borel; confira!

Tudo isso poderia ser interpretado como sinais de uma pessoa que estava lutando com problemas de saúde mental.

O artista revelou em uma entrevista publicada dois dias após sua morte que ele lutava contra uma depressão severa.

John Lennon havia dito que alguns dias eram tão opressores que ele gostaria de “pular pela janela”. O cantor ainda acrescentou que sua música “Help!” era um grito literal de ajuda enquanto ele lutava contra a depressão e se sentia muito mal consigo mesmo. 

O trecho em que se diz: “Me ajude a colocar meus pés no chão / não quer, por favor, me ajude?” Faz muito mais sentido agora que sabemos que o artista lidava com problemas graves.

Sua infância complicada e sua vida posterior desafiadora não podem de forma alguma ser considerados desculpas para ele maltratar as pessoas em sua vida, mas definitivamente nos ajudam a entender a vida conturbada que ele levou. 

Parece que muitas pessoas tentaram ajudar o integrante do Beatles durante seus tempos difíceis, mas parece que as feridas eram mais profundas do que as pessoas podiam alcançar.

Suicídio

O suicídio é considerado pelo Ministério da Saúde como um problema de saúde pública, complexo, multifacetado e de múltiplas determinações, que pode afetar indivíduos de diferentes origens, classes sociais, idades, orientações sexuais e identidades de gênero. Todos os anos, cerca de 800 mil pessoas morrem por suicídio no mundo, segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde).

No Brasil, uma pessoa morre por suicídio a cada hora, enquanto outras três tentaram se matar sem sucesso no mesmo período. O assunto é tão complexo que muitas pessoas evitam falar a respeito, o que nem sempre é a melhor decisão. Um problema dessa magnitude não pode ser negligenciado, pois sabe-se que o suicídio pode ser prevenido. Uma comunicação correta, responsável e ética é uma ferramenta importante para evitar o efeito contágio. Centro de Valorização da Vida Uma das entidades que ajuda pessoas com pensamentos tristes e depressivos é o Centro de Valorização da Vida, o CVV. A organização existe há anos graças ao trabalho voluntário de centenas de pessoas. O atendimento é gratuito e pode ser feito por telefone e internet. O telefone que tem cobertura para todo Brasil é 188.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio