Adriane Galisteu relembra última conversa com Ayrton Senna e conta como soube da morte do piloto

Apresentadora contou como recebeu a notícia da morte do piloto, em 1º de maio de 1994

Publicado em 14/04/2022 18:12
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Adriane Galisteu relembrou durante participação no podcast Ticaracaticast desta quinta-feira (14), a última conversa que teve com Ayrton Senna, horas antes do piloto morrer, no dia 1º de maio de 1994. A apresentadora conta que, durante a ligação, eles combinaram de se encontrar após a corrida. No entanto, o encontro, infelizmente, nunca aconteceu.

“Eu estava em Portugal e tinha acabado de falar com ele pelo telefone. Ele disse ‘estou puto’, não estava querendo correr e ainda me falou ‘é a primeira vez que não quero correr’”, relembrou Galisteu, que chegou a aconselhar o namorado: “Falei para ele ‘então não corre’, porque se tinha alguém que podia não correr era ele, não podia ter uma caganeira? Qual seria o problema? Lembro de falar isso para ele no telefone, e ele quase me engoliu porque não tinha pontuado nas corridas anteriores. Com a Williams, ainda não tinha conseguido nem terminar uma corrida”, disse a famosa.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Na sequência, Adriane contou qual foi a última coisa que ouviu de Senna: “Depois dessa braveza dele, a gente desligou. A última coisa que me falou foi ‘quando começar a corrida, já vai tomar banho, porque vou sair daqui direto para o aeroporto’. Ele já estava de mala [em Ímola], de lá iria ao aeroporto e direto para o Algarve, em Portugal, onde eu estava”, lembra Galisteu.

“Comecei a assistir a corrida. Quando ele bateu, achei até que ele chegaria mais cedo em casa. Fui para o banho, desliguei a televisão, porque estava muito acostumada a ver bater, até batida pior. O Ayrton mesmo tinha batido no México, uma vez, capotado e caído de ponta cabeça na brita [em 1991]. Lembro de sair do banho com um silêncio sepulcral, absoluto. Ouvi o barulho de um fax chegando, corri achando que era um contrato, alguma coisa assim, mas eram mensagens com coração. Aí é que começou a cair a ficha”, disse a apresentadora.

Como Adriane Galisteu soube da morte de Ayrton Senna

Adriane Galisteu revela que só foi saber da notícia da morte de Ayrton Senna quando já estava no aeroporto. “Era um silêncio na televisão, porque em Portugal não tem o Galvão Bueno narrando… E demorou muito, ele ficou parado na pista. Pensei que estivesse desmaiado, talvez quebrado a perna, mas naquela hora nunca imaginei que tivesse morrido”, recorda Galisteu.

“Fiz uma mala com roupas, para ele e para mim, para ir ficar no hospital com ele. Achava que ele só ficaria alguns dias internado. Saí com a mala, sentei no avião com duas malas de mão. Era um avião particular de amigos, mas antes de decolar, ele parou. Tinha um telefonema na torre, para mim. Pensei até que era ele [Ayrton], avisando que nem precisava ir até lá. Saí do avião até aliviada, mas peguei o telefone e era o Antônio Braga [amigo próximo de Senna]. Ele disse ‘não venha, tem mil pessoas se acotovelando na porta do hospital, e ele está morto’. E desligou o telefone. Quando ele falou isso, não sei de mais nada. Só lembro de estar em um carro, com as duas malinhas, indo para a casa do Braga, algumas horas de carro. Não sei nem dizer como foram essas horas.”, relatou Adriane.

Confira a entrevista na íntegra:

VEJA MAIS: Adriane Galisteu revela desejo não realizado de Ayrton Senna

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio