Demi Lovato fala sobre recaída em drogas e estupro sofrido na adolescência

Em documentário, cantora revela detalhes de sua vida no passado

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O documentário de Demi Lovato, o “Demi Lovato: Dancing with the Devil” fez sua pré-estreia e já causou espanto na imprensa e fãs da cantora. Nele, a artista fala sobre sua recaída com as drogas, uma em 2018, e estupro que sofreu por parte um traficante.

Demi contou que foi estuprada por um ator na adolescência. Foi nesta época em que a artista perdeu a virgindade ao contracenar com um adolescente. “Nós estávamos ‘nos pegando’, mas eu disse: ‘Isso não pode ir além, eu sou virgem e não quero perder desta forma’. Ele não se importou, me forçou mesmo assim. Eu internalizei a experiência e achei que tinha sido minha culpa, por ter começado a ficar com ele”, disse a famosa.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

LEIA MAIS: Demi Lovato surpreende fãs e fala sobre estar solteira

+ De biquíni, Maiara recebe ‘mão boba’ de Fernando durante passeio de barco

Demi tentou ajuda, mas não obteve. Em 2018, a famosa sofreu um novo abuso por parte de um traficante, que lhe vendeu heroína, um tipo de droga. Foi nesta época em que a artista sofreu uma overdose. “O que as pessoas não sabem é que, naquela noite, eu não só sofri uma overdose. Ele também se aproveitou de mim. Quando me encontraram, eu estava nua e cheia de hematomas. Ele me deixou para morrer. Só meses depois é que eu consegui pensar: ‘Eu não estava em condições de dar consentimento a ele’”, comentou Lovato.

+ Patrícia Poeta pratica exercícios e mostra corpaço: “Parece uma menina de 15 anos”

Após sofrer uma overdose, Demi teve que lidar com uma recaída. Ela chegou a procurar o traficante novamente, afim de ‘reverter’ a situação criada. “Eu tinha acabado de sair de um retiro de uma semana, para tratar o meu trauma. Na noite em que voltei para casa, liguei para ele. Eu queria reescrever a história, queria que fosse minha escolha o abuso que eu sofri. […] Depois, fiquei pensando: como tive coragem de usar de novo as drogas que me fizeram ir para o hospital? Fiquei mortificada com a decisão que tomei.”

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio